Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal

 Ciclo de Conferências Doutorais em Estudos da Criança

janeiro - ​julho de ​2018​​​​​​

CicloConferencias_Dout_EstudosCrianca_bannerFINA2L_NEWS.png
10 de janeiro, quarta-feira, das 14:00-15:00     
“Universos da criança na literatura para a infância: contributos para uma reflexão na educação” 
Lilane Maria de Moura Chagas
Universidade Federal de Santa Catarina (CED/UFSC). Membro do Núcleo de estudos e pesquisa em alfabetização e ensino da língua portuguesa (NEPALP); Grupo de estudos e pesquisa em ontologia crítica (GEPOC) e do Grupo de pesquisa sobre literatura infantil e juvenil (LITERALISE).
 
Conferência/mesa redonda doutoral para os alunos do Doutoramento em Estudos da Criança aberta ao público 


26 de janeiro de 2018, sexta-feira, às 14h30     
 Formação de professores: das políticas educacionais à produção do conhecimento​

Romilda2.pngRomilda Teodora Ens 
Titulo- Políticas educacionais como constantes sociais das representações do “ser e/ou estar professor”
Admitindo as práticas sociais como um dos substratos sociais que sustentam a manutenção e o funcionamento de uma representação social e a ancoragem como um dos processos fundamentais para a sua constituição, destacam​​os entre os sistemas gerais de crenças os das políticas e valores sociais, que atuam como constantes​ sociais. Políticas que propõem um alargamento dos conceitos de ‘ser e/ou estar professor’ e definem um menor tempo de formação teórica, acarretando desintelectualização, uma formação polivalente, flexível, multifuncional, protagonista e tolerante, um ‘super professor’ para a educação básica.
 
jacques2.jpg Jacques de Lima Ferreira
Título: A pesquisa-ação na Formação de Professores: possibilidades e desafios
Os princípios da ​metodologia de pesquisa-ação, na abordagem qualitativa, como alternativa para a pesquisa no contexto educacional, em particular, na formação de professores, possibilita aos docentes desenvolver e promover práticas pedagógica construtivas, necessários à educação e a produção de conhecimentos adequados.
 
Marilda2.png Marilda Aparecida Behrens
Título- Mudança paradigmática na formação de professores
A mudança paradigmática na Ciência e na Educação. O desafio da superação da reprodução para a produção do conhecimento. As metodologias centradas na problematização, na contextualizacao e na aprendizagem entre pares que atendem ao paradigma da complexidade.


18 de Maio, sexta-feira, 17h00      
"Efeitos do neoliberalismo e da economia do conhecimento na educação musical de crianças e jovens"
Prof. José Luís Aróstegui da Universidade de Granada. 
 
arostegui2.pngO Prof. José Luís Aróstegui é Professor Catedrático da Universidade de Granada na área da Didáctica da Expressão Musical. É responsável do Grupo SEJ-540 de Investigação em Educação Musical e Investigador Principal do Projecto EDU2014-58066-P sobre "O impacto da educação musical para a sociedade e a economia do conhecimento" (2015-2018) e do Projecto EDU2017-84782-P sobre "Formação de Professores e Música na Sociedade e na Economia do Conhecimento" (2018-2020), os dois financiados pelo Ministério da Economia e da Competitividade. É editor da Revista Internacional de Educación Musical (RIEM). É ainda coordenador da linha de investigação em Educação Musical e Artes Plásticas do Programa de Doutoramento em Ciências da Educação da Universidade de Granada.  
Publicou em revistas de impacto como a Arts Education Policy Review (2016,2017), a Revista Electrónica Complutense de Investigación Musical (2004, 2016, 2017), a International Journal of Music Edcuation (2003, 2012, 2017) e também em editoriais de impacto como a Dairea (2014, 2017), a Oxford University Press (2016) e a Routledge (2015). Foi comissário da "Music in Schools and Teacher Education Commission" (MISTEC) de 2004 a 2010, sendo seu presidente durante o último biénio e membro da unta Directivaa da ISME de 2012 a 2016.
 
Resumo da palestra:
Nesta palestra será feita uma reflexão sobre a influência do neoliberalismo e da economia do conhecimen o na educação em geral e na educação musical em particular, a fim de estudar o lugar que a música ocupa, e que poderia ocupar, num currículo escolar entendido como "motor da economia do conhecimento" actualmente vigente na maioria dos países. Para tal é feita uma revisão de literatura, a partir da qual se estudam diferentes teorias económicas, em particular a teoria do neoliberalismo, e também o que se entende por "economia do conhecimento", bem como as consequências que ambas as teorias têm para a educação e para a educação musical escolar. Por fim, apresentam-se as conclusões sobre o neoliberalismo e a economia do conhecimento como duas realidades bem distintas, e que enquanto a influência da primeira explica o actual declive da disciplina na escola, a segunda oferece um campo de actuação relevante para a música escolar e, na realidade, para todas as artes e Humanidades, ao mesmo tempo que se opresentam alguns sinais a nível internacional que parecem assinalar uma melhoria da música escolar dentro de um currículo dirigido para uma economia do conhecimento.



22 de maio, terça-feira, 17h00     
Childhood and Participation: between domination and freedom
Professor Nigel Thomas, Professor Emeritus of Childhood and Youth at the University of Central Lancashire, UK
nigel2.png
Nota biográfica:
Nigel Thomas is Professor Emeritus of Childhood and Youth at the University of Central Lancashire and founder of The Centre for Children and Young People’s Participation. He was previously a social work practitioner, manager and advisor, and later a social work educator. Nigel’s research interests are principally in child welfare, children’s rights, children and young people’s participation, and theories of childhood and intergenerational relations. His publications include Children, Family and the State: Decision-Making and Child Participation (Macmillan 2000, Policy Press 2002); Social Work with Young People in Care (Palgrave 2005); Children, Politics and Communication: Participation at the Margins (Policy Press 2009); and A Handbook of Children and Young People’s Participation: perspectives from theory and practice (with Barry Percy-Smith, Routledge 2010).
He is currently part of a large international team studying young people’s participation in public spaces in eight European cities (Partispace), funded by the EU Horizon 2020 programme, and also of a team looking at student participation and wellbeing in schools, funded by the Australian Research Council.

Resumo:
Infância e participação: entre dominação e Liberdade
O objetivo desta conferência é tentar perceber o que tem sido trabalhado nas teorias da participação infantil, e em que direção essas teorias poderão ir, no futuro. Inicio por considerar a relação entre o desenvolvimento dos estudos sociais da infância e o campo dos direitos da criança, enquanto discursos paralelos e sobrepostos. Reflito depois em algumas das formas pelas quais os investigadores de ambos os campos têm tentado conceptualizar a participação das crianças e jovens. Esta ideia levar-nos-á de uma preocupação inicial com “voz” para um discurso mais abrangente sobre espaço, influência e lugar. Colocarei algumas questões sobre cidadania e protagonismo das crianças, antes de focar a atenção no conceito de dominação, de Shapiro e no trabalho de Honeth sobre reconstrução das condições sociais de liberdade, sendo ambas bastante relevantes para a análise da posição social das crianças. Concluo, sugerindo que levar a participação das crianças a sério poderá ajudar a lidar com alguns assuntos urgentes sobre o futuro das sociedades humanas.



​5 de julho de 2018, quinta-feira, 9h30     
 O papel da pedagogia musical na aprendizagem colaborativa das crianças​
 Gabriel Rusinek da Universidade de Complutense de Madrid
Romisky.png
O Prof. Gabriel Rusinek é Professor Titular da Faculdade de Educação da Universidade Complutense de Madrid. 
Os seus trabalhos de investigação têm estado centrados, sucessivamente, na aprendizagem musical significativa, na composição colaborativa, nas pedagogias inclusivas em educação musical, na experiência do público das artes de palco, na avaliação de programas educativos e na formação de professores de música. Atualmente participa no pro​jecto de I+D “O impacto da educação musical na sociedade e na economia do conhecimento” financiado pelo Ministério da Economia e Competitividade de Espanha.  Apresentou diversas comunicações em numerosos congressos e seminários nacionais e internacionais e é membro ativo da International Society of Music Education (ISME), em cuja “Comissão para a Música nas Escolas e Formação de Professores” foi comissário, entre 2016 e 2016. Foi fundador e co-director da Revista Electrónica Complutense de Investigación en Educación Musical (http://revistas.ucm.es/index/php/RECI), sendo atualmente membro do seu Conselho Editorial. É também membro do Conselho Editorial da Revista Internacional de Educacion Musical (RIEM), assim como Consultor Internacional da Revista Music Education Research.

RESUMO: “O papel da pedagogia musical na aprendizagem colaborativa das crianças”
Muitos esforços se realizam para promover o papel da música na escola, discutindo o seu valor enquanto “arte pela arte” ou a sua influência noutras disciplinas, mas pouco se faz para compreender as possibilidades que as interações intrinsecamente musicais têm para o desenvolvimento pessoal e social dos estudantes e, no caso da formação de professores, para compreender a pedagogia através da música. Nesta apresentação analisar-se-á como exemplo a criação musical colaborativa na escola e na universidade. Veremos, por um lado, o que podem aprender nas aulas as crianças e adolescentes sobre música, sobre o seu próprio potencial criativo e sobre a força da colaboração nas artes de palco e, por outro lado, o que podem aprender os futuros professores sobre como aprendem as crianças e, em geral, como se podem pôr em prática as teorias construtivistas sobre a aprendizagem. A partir da perspetiva da investigação educacional e da produção de conhecimento mostrar-se-ão diferentes estratégias de investigação-ação que têm sido desenvolvidas por professores-investigadores para compreender essas aprendizagens nas suas aulas.



​​
​​



​​
​​